(41) 3267-7890 | [email protected]
close
PALAVRA DO PRESIDENTE | VOCÊ COLOCARIA A RAPOSA PARA CUIDAR DO GALINHEIRO?
Novas

PALAVRA DO PRESIDENTE | VOCÊ COLOCARIA A RAPOSA PARA CUIDAR DO GALINHEIRO?

Quando observamos posts que estão circulando desde a semana passada nos grupos de despachantes no aplicativo Whatsapp, lembramos da frase de um antigo pensador: “o caminho para o inferno está pavimentado de boas intenções”. No entanto, devemos ser benevolentes com estes colegas e realmente considerar que estejam agindo com boa intenção e nenhum interesse particular escuso.

O texto compartilhado nos grupos cita uma suposta reunião entre diretores do Detran/PR, um deputado estadual e alguns despachantes, em que supostamente definiram uma comissão para tratar da criação de um projeto para alterar a lei que regulamenta a atividade de despachante de trânsito no estado do Paraná.

Vale destacar que esta informação apenas tem circulado informalmente no aplicativo Whatsapp, fato que por si só já gera dúvidas quanto a autenticidade do conteúdo. Nenhum site ou redes sociais do departamento de trânsito e das autoridades citadas reproduzem esta informação. Mas de qualquer forma, considerando que na dúvida devemos dar crédito aos colegas que estão envolvidos nesta iniciativa, precisamos fazer algumas ponderações sobre esta ação.

A principal é que a classe dos despachantes de trânsito do estado do Paraná é representada coletivamente pelo Sindicato da categoria, o Sindepar. Portanto, é uma falácia quando qualquer indivíduo se autoproclama representante desta categoria, quer seja individualmente ou em grupinho de quatro indivíduos – observe que ainda não divulgaram os nomes dos integrantes do quarteto. Neste sentido, todos os despachantes precisam estar alertas com este tipo de figura que de tempos em tempos surgem levantando falsas bandeiras, ou a que estiver na moda, como se fossem os salvadores da pátria, mas que ao serem desmascarados, retornam para seus guetos onde permanecem em silêncio, até a próxima investida. Normalmente são oportunistas que estão em busca de holofotes e projeção pessoal, mas cujas iniciativas podem, caso eles obtenham algum sucesso, desdobrar em sérios danos à coletividade.

Toda a categoria tem conhecimento da importância da atualização da lei que disciplina a atividade no Estado frente aos desafios atuais do setor. E esta atualização precisa promover alterações que atendam à coletividade, amenizando os conflitos de interesses individuais que possam surgir. Para isto é necessária a atuação da instituição sindical, para nivelar interesses individuais ao interesse coletivo. A nota do Whatsapp diz que foram selecionados quatro despachantes para a comissão e cabe aqui mais um alerta: projetos desta natureza, devido à amplitude das consequências, não podem ser executados por amadores. Por mais bem intencionado ou iluminados que estejam e quanto mais disposição tenham, pessoas sem uma noção mínima sobre legislação e política, podem, no intuito de ajudar – na melhor das hipóteses – atrapalhar. Ou ainda pior, colocar a perder o que a categoria já tem conquistado com tanto suor e esforço. Deveremos confiar a “heróis de Whatsapp” o poder de nos representar em projetos que colocam em risco o nosso ganha pão?

Há de se considerar também que esta lei é muito mais importante para a categoria dos despachantes do que para os servidores do departamento de trânsito, sendo assim, é estranho observar que servidores tomem a iniciativa de conduzir esta discussão. Se os despachantes pedissem para o servidores cuidarem das alterações da lei, seria como colocar a raposa para cuidar do galinheiro. São interesses distintos, e o relacionamento do dia a dia está repleto de exemplos deste perigo, pois nos últimos tempos nada de bom para a categoria veio da inciativa do pessoal de integrantes do grupo que atua atrás do balcão do Detran.

Nossa categoria conta com uma instituição forte e combativa e nosso histórico de batalhas não deixa dúvidas do nosso empenho. Devido às conjunturas econômicas e políticas que afetam nosso segmento, concordamos que os últimos tempos estão difíceis, pois não conseguimos manter o ritmo de avanços que estávamos obtendo até recentemente. No entanto, de uma coisa todos podem ter certeza: não abandonamos a luta pelo desenvolvimento contínuo da categoria e acreditamos que em breve vamos avançar com os nossos projetos.

Vamos ter paciência e aguardar passar a tempestade, pois nosso Sindicato continua na ativa, e quando for necessário irá mobilizar a categoria para ajudar de forma estratégica no processo de desenvolvimento. Por outro lado, devemos permanecer em alerta com os oportunistas, ou salvadores da pátria, que fingindo de mocinhos possam comprometer as ações da instituição – ao identificar estes casos, alerte: se não for para ajudar, não atrapalhe!

EVERTON CALAMUCCI

Presidente do Sindepar